Grupo Chespirito se pronuncia contra paródia de Chaves exibida na Globo - Baixada Viva Notícias

Responsivo após foto post

Grupo Chespirito se pronuncia contra paródia de Chaves exibida na Globo

Compartilhe
Quadro protagonizado por Marcelo Adnet coloca falas controversas do governo de Jair Bolsonaro na boca de um personagem ficcional batizado de 'o capitão'
Cena do quadro "Vila Militar do Chaves", protagonizado por Marcelo Adnet (Divulgação/TV Globo)

O grupo Chespirito, detentor do programa mexicano Chaves, publicou em suas redes sociais nesta terça-feira, 22, uma nota de desaprovação da paródia veiculada na semana passada pela Rede Globo, no programaTá no Ar: a TV na TV.

No quadro, o humorista Marcelo Adnet interpreta um militar que toma posse da vila e, fazendo uso de falas conhecidas do presidenteJair Bolsonaro, ofende e ameaça os personagens da série original, representados no quadro por atores brasileiros. 

Na semana em que foi ao ar, a Vila Militar do Chaves,título da paródia, se tornou trend topic no Twitter com a expressão “VA-GA-BUN-DO”, o xingamento mais usado pelo personagem de farda.

“O Grupo Chespirito não aprova nem compartilha das opiniões ou pensamentos apresentados no esquete deChavesexibido no programaTá no Ar. Respeitamos as correntes de pensamento e a liberdade de expressão, mas não nos associamos a qualquer opinião e conceito geral e político expressado pelos atores caracterizados como os personagens de Chaves“, diz a nota reproduzida no Instagram.

EmVila Militar de Chaves, o nome de Jair Bolsonaro não é mencionado, mas as opiniões do personagem, o tom e as referências aos acontecimentos do início de seu mandato não deixam dúvidas sobre o alvo de Adnet. Ele é chamado apenas de “o capitão”.

“É isso mesmo. Eu sou o novo dono dessa vila. Depois de anos de má incompetência e má administração, eu vim resolver essa questão”, entra o capitão em cena diante de Chaves (Márcio Vito), em pânico com a notícia da nova gestão. Quase todos os personagens da vila militar recebem a classificação de “vagabundos”:seu Madruga, por estar desempregado, o Chaves, por não trabalhar e viver de uma “bolsa-barril” e o professor Girafales, que nas palavras do personagem de Adnet “prega ideologia de gênero e difunde o ‘kit gay’ e o darwinismo”. 

O capitão diz que Chiquinha pode até chorar, mas acusa seu pai de ter “dado um fraquejada”, referência evidente a uma fala em que Bolsonaro menciona a sua única filha mulher.

Adnet parodiou cada um dos candidatos à Presidência durante as eleições gerais. Os vídeos, abertos no YouTube, alcançaram grande número de acessos e elogios pela agudeza e precisão de suas imitações.

A Globo informou ao site Uol que o quadro já estava planejado antes da posse de Bolsonaro. Mas recebeu atualizações, como a fala da ministra da pasta da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, sobre as cores com que as crianças de cada sexo deveriam ser vestidas. Voltando-se para dona Florinda e o filho Kiko, o militar diz: “Tá tudo errado essa família aí. Você vestindo azul, sem nenhum homem na casa. Tá tudo errado isso aí. Por isso que seu filho é afeminado”.

Depois, em uma referência à demissão massiva de técnicos na Casa Civil pelo ministro-chefe Onyx Lorenzoni, ameaça demitir a plateia. “A plateia está demitida… não, peraí, vou voltar atrás. Não posso demitir a plateia, porque demitiram quem demitiria a plateia.”

Para fechar o quadro, o personagem de Adnet chama “o motorista emprestado por seu filho”, citação ao caso do ex-motorista de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz,acusado de movimentar 1,2 milhão de reais irregularmenteenquanto trabalhava para o senador eleito. “Aliás, rapazes, cadê meu motorista que meu filho emprestou? Não pode vir?”, encerra.


Via Veja

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responsivo final texto

Pages