Mulheres que esquartejaram menino de nove anos não foram espancadas na cadeia - Baixada Viva Notícias

Responsivo após foto post

Mulheres que esquartejaram menino de nove anos não foram espancadas na cadeia

Compartilhe




Circula em diversos sites e principalmente em grupos de WhatsApp, a informação de que as duas mulheres acusadas de esquartejar o menino Rhuan Maycon, 9 anos, teriam sido agredidas no sistema carcerário do Distrito Federal. 



Consultado, o subsecretário do Sistema Penitenciário do DF (Sesipe), delegado Adval Cardoso, desmentiu o conteúdo.



A notícia falsa, publicada em vários sites, classifica as acusadas Rosana Auri da Silva Cândido, 27, e a companheira dela, Kacyla Priscyla Santiago Damasceno, 28, como "lésbicas" e aponta que as duas "foram brutalmente espancadas por outras detentas na ala feminina do presídio".

A informação é creditada a representantes do Complexo Penitenciário da Papuda, em São Sebastião. 

Mas tanto a "reportagem" como o tal site não revelam nenhuma assinatura ou descrição dos responsáveis pela produção do conteúdo on-line. 

Além disso, a fake news dá a entender que o ataque às duas mulheres ocorreu na ala feminina da Papuda, o que não existe. Ambas estão presas na Penitenciária Feminina do Distrito Federal, a Comeia, no Gama.

A "reportagem" acrescenta que elas foram "levadas para a enfermaria da penitenciária em estado grave, com várias fraturas pelo corpo, após um grupo de detentas, revoltadas com a morte da criança, terem feito uma emboscada para agredir as duas criminosas." 

A publicação vem acompanhada de duas fotos: das detentas e de uma pessoa caída no chão — um filtro, porém, impossibilita qualquer identificação.


O subsecretário Adval garantiu que Rosana e Kacyla não estão juntas desde o dia em que chegaram à carceragem, mas que cada uma divide cela com outras internas. "Nós sabemos do risco e jamais as colocaríamos ao lado de quem poderia fazer-lhes mal", afirmou Adval.

Segundo o delegado, "as mulheres estão na mais absoluta tranquilidade". "Tomamos todas as precauções e não existe nenhum risco à integridade física delas. Até porque, se houvesse, eu mandaria retirá-las na hora. A responsabilidade é minha", garantiu o secretário.

Barbárie

Rosana e Kacyla assassinaram Rhuan na madrugada de sábado (1º/6). O garoto dormia quando recebeu diversos golpes de faca. Em seguida, ele teve o rosto desfigurado, foi decapitado e esquartejado. 


As mulheres ainda tentaram queimá-lo em uma churrasqueira para descartar um vaso sanitário. No entanto, pararam por causa da grande quantidade de fumaça. 

Elas distribuíram as partes do corpo do menino em uma mala e duas mochilas escolares. Rosana jogou um dos itens em um bueiro de Samambaia, mas foi vista por pessoas que estavam na rua. Curiosos abriram o objeto e encontraram o corpo. 

A Polícia Civil foi acionada e prendeu o casal na residência. Os investigadores não descartam a possibilidade de que as acusadas fariam o mesmo com a garota filha de Kacyla, que dormia quando os agentes chegaram.



As informações são do correio brasiliense


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responsivo final texto

Pages