Casal vítima de facadas no RJ se casaria em três semanas - Baixada Viva Notícias

Responsivo após foto post

Casal vítima de facadas no RJ se casaria em três semanas

Compartilhe



O engenheiro João Feliz de Carvalho Napoli e a bióloga Caroline de Azevedo Moutinho estavam de casamento marcado. 

A cerimônia — pequena, só para parentes e amigos mais próximos — seria no próximo dia 16 de agosto. 


Neste domingo, entretanto, João foi morto, aos 34 anos, na frente da noiva, num ataque à faca na Lagoa, Zona Sul do Rio. 

O casal estava no carro de João e ia a casa da avó do engenheiro. Por volta das 12h, na altura do Túnel Rebouças os dois foram abordados por um morador de rua que portava uma faca. João entrou em luta corporal com o homem e foi golpeado. 


Em seguida, Caroline, de 30 anos, saiu do carro para ajudar o noivo, mas também foi atacada com golpes na mão e na barriga. Os dois foram socorridos para o Hospital municipal Miguel Couto. João não resistiu aos ferimentos.

Durante o socorro a João, outro homem foi esfaqueado e ferido pelo morador de rua: o personal trainer Marcelo Henrique Corrêa Cisneiros Reis, de 39 anos, que também não resistiu e morreu no hospital. Ao todo, cinco pessoas — entre elas uma bombeira e um policial militar — ficaram feridas no cerco ao criminoso.




Na última postagem que fez no Instagram, há mais de um mês, João se declarou para a noiva: "Todo dia ao seu lado é motivo pra comemorar. Te amo". 

Na foto, os dois sorriem para a câmera. Caroline agradeceu a declaração de amor: "Coisa mais linda dessa vida!", comentou a bióloga, com mestrado em Imunologia pela UFRJ. O casal namorava desde 2013.


Já no último dia 13 de junho, foi a vez de Caroline escrever uma mensagem para o noivo: "Eu não preciso de um dia pra comemorar a sorte do nosso encontro, nós comemoramos todo dia (ou quase todo) há uns 6 anos, mas ao mesmo tempo vc merece todas as declarações de amor, então aqui estou num enorme clichê mordendo a minha língua, mas transbordando carinho e amor". 

O texto é a legenda de uma foto em que o casal se beija em meio a árvores, no Alto da Boa Vista.



'Foi ajudar e não vai voltar'

Já o personal trainer Marcelo Cisneiros, outra vítima do ataque, estava indo para a casa da mãe para o almoço de domingo, quando viu o ataque. Ele foi golpeado quando tentou impedir que o morador de rua chegasse próximo às pessoas que socorriam João, já caído no chão.


— Ele foi ajudar e não vai voltar nunca mais — disse, muito abalada, a bancária Hérica Reis, irmã de Marcelo.

O personal trainer era morador da Penha e dava aulas de crossfit em várias academias espalhadas pela cidade.


Ocorrência também teve baleados

Durante a abordagem ao morador de rua, dois bombeiros e um PM também acabaram baleados. 

Policiais militares do Batalhão de Policiamento em Áreas Turísticas (BPTur) foram os primeiros a chegar no local, acionados por pedestres que testemunharam o ataque. Os agentes fizeram um cerco e tentaram imobilizar o criminoso com uma pistola "taser", de choques elétricos. No entanto, o armamento não foi suficiente para parar o homem. Em seguida, agentes do 19º BPM (Copacabana) também chegaram ao local.


Um agente do BPTur, então, fez disparos, com uma pistola, em direção ao esfaqueador. Um dos tiros, entretanto, atingiu um soldado do 19º BPM no joelho. Dois bombeiros que socorriam João também foram feridos, um por estilhaços outra por disparos, sem gravidade.

O soldado baleado ainda conseguiu atingir o criminoso nas pernas antes de ser socorrido para o Hospital Miguel Couto. O esfaqueador, ainda não identificado, está preso sob custódia na unidade.


Via Extra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responsivo final texto

Pages