Homem é preso após jogar gasolina e atear fogo na enteada em Nova Iguaçu - Baixada Viva Notícias

Responsivo após foto post

Homem é preso após jogar gasolina e atear fogo na enteada em Nova Iguaçu

Compartilhe
Mulher teve 20% do corpo queimado após ataque do ex-padrasto. Foto: Marcos Nunes




A Polícia Civil prendeu, nesta quinta-feira, Vilmar Leal, de 53 anos. 




Ele teve a prisão temporária decretada pelo Tribunal de Justiça do Rio após quebrar uma medida protetiva e atear fogo na enteada, de 21 anos. 


O caso ocorreu em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, no Bairro Conjunto Dom Bosco. 

Mesmo impedido pela Justiça de ser aproximar da ex-mulher, auxiliar de serviços gerais, de 44 anos, com quem tem um filho, Vilmar invadiu a casa dela e iniciou uma discussão. 

A enteada de Vilmar estava na residência e tentou interferir. A jovem, então, foi agredida e teve parte do corpo banhado com gasolina e incendiado.

— Ele começou a discutir com minha mãe, ameaçando botar fogo na casa toda. Fui ver o que estava acontecendo e ele me deu uma cotovelada. 


Depois, jogou gasolina em mim e quando abri os olhos já estava incendiada. Só lembro de ter gritado: "Meu Deus!". 

Corri para chuveiro e abri a água. Fiquei mais de três semanas internada em um hospital, meu corpo ficou marcado... tive 20% do corpo queimado — contou.

A jovem sofreu queimaduras superficiais e de segundo grau no rosto, nos braços, pescoço e orelhas. Após a agressão, Vilmar fugiu. 

Nesta quinta-feira, agentes da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) de Nova Iguaçu localizaram e prenderam o suspeito. 

De acordo com a delegada Mônica Areal, titular da Especializada, ele responderá por tentativa de feminicídio.

— Vamos pedir a conversão da prisão temporária em preventiva. 


O suspeito é perigoso e desrespeitou medidas protetivas — afirmou a delegada.


Não é a primeira vez que Vilmar é alvo de uma investigação da Polícia Civil. 

Só na Deam de Nova Iguaçu ele é investigado em mais quatro procedimentos por ameaça, injúria, estupro de vulnerável e lesão corporal.

A auxiliar de serviços gerais que viveu por cerca de três anos com Vilmar confirmou já ter sido agredida por ele e disse esperar que seu ex-marido se transforme em outra pessoa quando pagar pelos crimes que cometeu.

— Ele sempre disse que iria me matar se fosse preso. Só espero que Deus trabalhe na vida dele para que ele saia da prisão como uma nova pessoa — disse.



Fonte: Extra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responsivo final texto

Pages