Padre famoso é investigado por lavagem de dinheiro - Baixada Viva Notícias

Responsivo após foto post

Padre famoso é investigado por lavagem de dinheiro

Compartilhe
Padre Robson de Oliveira Pereira, de Goiás, é investigado por lavagem de dinheiroImagem: Divulgação

O padre Robson de Oliveira Pereira, de Goiás, é investigado por supostamente praticar crime de lavagem de dinheiro, de acordo com reportagem publicada hoje pela revista Época. 


Uma entidade criada por ele realizou transações imobiliárias suspeitas, segundo apuração do MP (Ministério Público) no estado.

O padre seria o chefe de uma organização criminosa que desviava dinheiro doado por fiéis, em valores que chegam a R$ 60 milhões. 

As negociações eram realizadas por meio da Afipe (Associação Filhos do Pai Eterno), presidida por Robson. Segundo o MP, os recursos provenientes das doações foram utilizados para a compra de fazendas, apartamentos e uma casa na Praia de Guarajuba, na Bahia.


A associação comprou, por exemplo, um terreno de 3.200 m², por R$ 485 mil, em 2010 e, nove anos depois, a repassou pelo mesmo preço. 

Corrigido pela inflação do período, o valor do imóvel estaria avaliado, no mínimo, em R$ 820 mil na data da transferência para a nova dona, uma administradora de bens.

O Ministério Público cita a negociação como prática de operação de lavagem de dinheiro e afirma que essa administradora negociou "dezenas de imóveis" com a Afipe, sempre com "evidente prejuízo" para a entidade comandada pelo padre.

A Justiça autorizou ontem a realização de busca e apreensão contra os investigados.

A defesa do pároco alega que a Afipe realizou as transações como uma forma de investimento e justificou que os rendimentos são integralmente aplicados na entidade.


O padre chegou a transferir mais de R$ 2 milhões das contas bancárias da Afipe para uma quadrilha que o ameaçou de extorsão, em 2017, quando as investigações do MP foram iniciadas. 

O grupo criminoso foi condenado em 2019, mas o uso do dinheiro da associação para fins pessoais chamou a atenção do MP.

Os promotores também utilizaram dados do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) para verificar como o dinheiro doado por fiéis era usado em proveito dos investigados.


Via Uol

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responsivo final texto

Pages