Conheça a história do 'Profeta de Nova Iguaçu' dono da Fiat 147 - Baixada Viva Notícias

Responsivo após foto post

Conheça a história do 'Profeta de Nova Iguaçu' dono da Fiat 147

Compartilhe


Pastor por vocação, mesmo sem ligação com qualquer igreja. A bordo de um velho Fiat 147 e vestindo uma túnica pregando a volta de Jesus Cristo.


Famoso na cidade, era comparado a outro profeta das ruas, José Datrino, o Gentileza. Os dois, aliás, chegaram a se esbarrar em pregações no Rio, onde João Raimundo morou até os anos 1970.

— Eu me lembro que o Gentileza veio aqui com meu pai e parecia o Moisés, com aquelas tábuas de dizeres enormes — conta um dos filhos do profeta da Baixada, o motorista Michel Tedeschio.


Em casa, havia dois Fiats 147, mas só um ainda servia como “profetamóvel”. As pregações de João Raimundo começaram em 1975, mas a pé, na Tijuca, na Zona Norte do Rio.

— Meu pai foi vendedor por 20 anos e largou tudo para pregar. Para se sustentar, era bancado por missões evangélicas estrangeiras. 

Ele começou entregando folhetos e, em 1978, comprou uma Variant azul. 

Mas havia um motorista que o levava. Só depois é que ele aprendeu a dirigir. 

Aí, veio o famoso 147, zero quilômetro, que ele amava e foi seguido por outros dez 147 dados por amigos, quando já não podia mais comprar um — conta Michel.

— A barba comprida surgiu em 1986. As pessoas sempre zombaram dele. Uma vez, eu era criança e jogaram uma pedra no carro que quase me atingiu — relembra Ana Sara.

Durante tantas pregações, houve também episódios cômicos, como da vez em que atazanou um guarda municipal.

— O guarda não permitiu que ele passasse com o carro numa rua de pedestres e que o rebocaria se insistisse. 

Daí, meu pai se ajoelhou diante dele e começou a falar bem alto que Jesus voltaria. 

O guarda o deixou falando sozinho para que se cansasse. Que nada! Foi assim a manhã inteira, até que o sujeito desistiu e o deixou pregar ali — lembra Michel.

— Em junho de 2010, meu pai sonhou com um anjo anunciando que ele faria uma viagem e contava a todos que estava próxima. 

Ele sabia que ia morrer, mas ninguém acreditava. Um amigo queria lhe dar outro 147 e ele o recusou dizendo que não precisaria mais. 

Ele pregou até o último dia com o carro e parou só para se internar — conta Ana Sara.


O 'profeta de Nova Iguaçu" era um homem incansável na pregação do evangelho e com o seu bordão "Jesus Cristo Voltará", marcou história na Cidade de Nova Iguaçu.

João Raimundo Soares de Mello morreu em 11 de junho de 2011, aos 78 anos, após passar quatro meses em coma, por complicações intestinais e pulmonares.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responsivo final texto

Pages