EXPULSA DE CASA POR TRAFICANTES E SEM FAMILIARES, FOI ABRAÇADA PELO 18°BPM HÁ QUASE 40 ANOS E GANHA HOMENAGEM - Baixada Viva Notícias

Responsivo após foto post

EXPULSA DE CASA POR TRAFICANTES E SEM FAMILIARES, FOI ABRAÇADA PELO 18°BPM HÁ QUASE 40 ANOS E GANHA HOMENAGEM

Compartilhe


Aos 6 anos de idade ela perdeu a mãe, que aos 25 anos morreu durante um aborto. Era 1962 e ela foi morar com a avó, que era cobradora em uma empresa de ônibus e a criou na comunidade Cidade de Deus, em Jacarepaguá-RJ.

Assim começou a história de “Maria do 18°” – como a Maria de Fátima Dãauria da Silveira acabou ficando conhecida.


Quando completou a mesma idade que a mãe tinha quando morreu, Maria perdeu também a avó – vítima de um derrame. 




O ano era 1981 e criminosos da facção Comando Vermelho (CV) que controlavam o tráfico de drogas na CDD invadiram a casa delas, resgatada por policiais do Destacamento de Policiamento Ostensivo (DPO) localizado na comunidade, Maria recebeu abrigo na sede do 18°BPM (Jacarepaguá) – onde mora até hoje, aos 64 anos.

Não há uma pessoa dentro da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ) que não a conheça – pessoalmente ou através de relatos e vídeos. 

Nesta sexta-feira, dia 4 de setembro, ela foi homenageada em vida pelo atual comandante do batalhão de Jacarepaguá, tenente-coronel Roberto Christiano Dantas, que reformou e reinaugurou o rancho da unidade o batizando com o nome de Maria.


“A Maria é uma lenda na corporação e agora está eternizada aqui”, destacou o coronel Dantas.

Já Maria, que há quase quatro décadas tem o 18°BPM como seu endereço residencial, era só alegria e gratidão.

“Agora vou almoçar e jantar todo dia aqui no rancho. Tem meu nome, né? Eu gosto muito desses meninos. Gosto de todos esses policiais”, enfatizou Maria, que é a única civil sem grau de parentesco com PMs a ter direito a atendimento médico nas unidades de saúde da corporação.




A conquista ocorreu através do coronel Gilson Pitta – que foi comandante-geral da PMERJ de janeiro de 2008 a julho de 2009. Na época, o oficial cadastrou Maria como sua dependente para que ela pudesse ter acesso à carteira do Fundo de Saúde da Polícia Militar (Fuspom).

Parabéns pela humanidade dos policiais em acolher e homenagear a Dona Maria. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responsivo final texto

Pages