Jovem morre sem respirar na porta de UPA de Duque de Caxias - Baixada Viva Notícias

Responsivo após foto post

Jovem morre sem respirar na porta de UPA de Duque de Caxias

Compartilhe
Jovem ficou sem respirar e veio a óbito. 


Duque de Caxias - Um jovem de 16 anos, identificado como Robson, perdeu a vida na porta da UPA Infantil Dr. Walter Garcia Borges, no Centro de Caxias, nesta segunda-feira, 19. 

Segundo relatos da mãe do jovem, Patrícia de Albuquerque, ela implorou por socorro, mas o atendimento só chegou depois que o garoto já não estava mais respirando. 


A família denunciou o caso à polícia. A prefeitura nega omissão.

O adolescente tinha asma e se dedicava ao esporte. Ele teve uma crise respiratória. 

A mãe pediu ajuda a um bombeiro civil, que os levou de carro até a porta da UPA. 

Em entrevista para a TV Globo, Patrícia afirmou que um funcionário da unidade de saúde disse que o local “não atendia” pessoas com 16 anos.


Ela relatou ainda que ficou mais ou menos 15 minutos em frente a UPA pedindo socorro e esperando que alguém fosse prestar atendimento. Enquanto isso, o bombeiro civil que ajudou a família tentava reanimar o jovem.

Laudo aponta insuficiência respiratória

Um laudo entregue pela UPA à mãe de Robson aponta que o adolescente teve insuficiência respiratória, broncoespasmo e asma brônquica. 

O óbito foi registrado em um cartório de Duque Caxias na manhã desta terça-feira (20). A família do adolescente também registrou um boletim de ocorrência na delegacia contra a UPA, por omissão de socorro.

A Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil, através da direção da UPA Infantil Walter Garcia, informou que Robson de Albuquerque, 16 anos, chegou a unidade de saúde trazido por meios próprios, nesta segunda-feira (19), por volta das 13 horas. 

A direção disse ainda que a mãe entrou na unidade de saúde sozinha, solicitando uma maca. 

Enquanto o supervisor do dia foi buscar a maca, o enfermeiro do acolhimento, juntamente com dois médicos, foram até o veículo e constataram que o menor já não apresentava reação. 

Mesmo assim, o adolescente foi encaminhado para o interior da unidade, onde a equipe da emergência usou de “todos os recursos disponíveis sem sucesso, confirmando o óbito do mesmo”.


Segundo informações de familiares, o menor estava em crise asmática quando começou a passar mal, sendo amparado por um brigadista. Este seguiu no veículo com a família, fazendo massagem cardíaca no menor, até chegar a UPA Infantil Walter Garcia, como constatam os médicos que prestaram socorro na unidade.

A Polícia Civil disse que a família registrou o caso na Delegacia de Caxias e já prestou depoimento. Agora, a polícia vai ouvir testemunhas que trabalham na UPA. 

A Comissão de Direitos Humanos da OAB disse que foi procurada pela família e vai oficiar a direção da UPA e a 59ª DP para, a partir das respostas, tomar as medidas necessárias.


Fonte: O Dia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responsivo final texto

Pages