Após assassinato de homem negro, famosos pedem boicote ao Carrefour - Baixada Viva Notícias

Responsivo após foto post

Após assassinato de homem negro, famosos pedem boicote ao Carrefour

Compartilhe



Vários famosos se pronunciaram e pediram um boicote à rede na internet, após o caso dos seguranças do Carrefour terem espacado brutalmente um homem negro no supermercado Carrefour viralizar nas redes sociais.

 

João Alberto Silveira de Freitas morreu após ser violentamente agredido por um policial militar e um segurança do Carrefour, dentro de uma unidade da rede de supermercados, em Porto Alegre, na quinta-feira, véspera do feriado de Consciência Negra. 

"Carrefour e seu jeito de celebrar o dia da Consciência Negra”, ironizou Hélio de La Peña. Rafinha Bastos postou no Twitter informações sobre um protesto na frente da loja onde aconteceu o crime e relembrou o histórico de violência da rede. 


"Vídeo registrado no Carrefour Porto Alegre. O homem negro espancado veio a falecer. Tudo isso no dia da Consciência Negra. Esse é o Brasil que se comove com George Floyd e não percebe que essa merd* acontece todo dia por aqui. 

O histórico de atrocidades do Carrefour no Brasil inclui ainda o espancamento de cachorro e a ocultação de cadáver com guarda-sol durante o expediente. Tem que boicotar essa m****. E o minimo a se fazer", disse. 

O ex-BBB Rodrigo França se mostrou mortificado nas redes sociais e repetiu a mesma frase várias vezes. "Um homem negro foi espancado até a morte por seguranças brancos, no supermercado Carrefour". 

Pathy Dejesus também comentou o caso repostando uma mensagem da jornalista Flávia Oliveira. "João Alberto Silveira de Freitas. Homem Negro. 40 anos. 

Espancado até a morte por dois seguranças brancos no Carrefour em Porto Alegre. Dia da Consciência Negra", escreveu Pathy na legenda.

Felipe Neto se mostrou indignado com a impunidade da rede de supermercados. "O que mais me dá ódio é a sensação de não ter o que fazer. Boicotar o Carrefour só vai tirar empregos, prejudicar trabalhadores inocentes. 

A atriz Erika Januza também se manifestou. "João, Floyd, João Pedro, Marielle, tantos se foram brutalmente pela inconsequência, pela maldade, pela irresponsabilidade, pelo preconceito, pelo racismo. Por leis que não funcionam e deixam agressores impunes. 

Dia da Consciência e mais uma vez não podemos celebrar plenamente. E ainda há quem diga que é mi-mi-mi. Estamos cansados dessas notícias. 

Cansados desse desrespeito, dessa violência, dessa impunidade. E agora? Quem se responsabiliza? Atitudes cabíveis? Queremos respeito cabível. Vidas negras importam não pode ser uma frase de efeito para criar imagens. Deve ser uma verdade praticada. Justiça por João e por tantas vidas negras perdidas", disse. 

Preta Gil lamentou o fato de o racismo "não dar descanso nunca". "Eu até tinha preparado um feed todo lindo em celebração ao Dia da Consciência Negra, mas o racismo é tão perverso que não nos dá descanso nunca. 


João Alberto Silveira Freitas foi assassinado covardemente ontem à noite em um supermercado em Porto Alegre. Temos que cobrar Justiça, sem Justiça não há paz", escreveu a cantora.


Portal da feira/ODia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responsivo final texto

Pages