Segunda onda de covid-19: aulas da rede estadual em três cidades do Rio já foram suspensas - Baixada Viva Notícias

Responsivo após foto post

Segunda onda de covid-19: aulas da rede estadual em três cidades do Rio já foram suspensas

Compartilhe


As aulas de colégios estaduais de três cidades do Norte Fluminense já foram suspensas por conta do aumento de casos. 

Segundo o secretário Comte Bittencourt, Macaé, Carapebus e São Franciso de Itabuapana passaram da fase amarela para a laranja há quase duas semanas.


— Quando acontece isso (mudança das fase amarela para a laranja), as aulas são suspensas automaticamente. Estamos acompanhando — afirmou o secretário.

A rede voltou a funcionar há exatamente um mês, mas apenas para alunos do terceiro ano do ensino médio que queiram se preparar para o Enem. 

Segundo Comte, cerca de 3.500 estudantes participam das atividades.


— Nas cidades onde estão tendo aulas, há 60 mil alunos no final do ensino médio e cerca de 28 mil inscritos no Enem — afirma. — E nesse tempo tivemos apenas dois casos, em escolas na capital. Fechamos por três dias para analisar se havia mais doentes e desinfectar as salas.

Já a rede municipal do Rio afirmou, sobre a possibilidade de voltar a fechar as unidades, que "segue as orientações do Comitê Científico da Prefeitura".

O retorno às aulas presenciais na rede ocorreu na última terça-feira para alunos do 9º ano, do último ano da Educação de Jovens e Adultos e do Carioca 2 (projeto de correção de fluxo) em cerca de 400 escolas públicas municipais cariocas.

Nessa quata-feira, o Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe) do Rio realizou uma manifestação na porta da Prefeitura do Rio contra o retorno presencial às salas de aula.

— Esse retorno é precipitado. Além disso, a prefeitura não dá garantia de condições de higiene e de equipamentos de proteção adequadas — afirmou Alex Trentino, coordenador-geral do Sepe.

Um levantamento aponta que o Rio de Janeiro foi a cidade que mais registrou mortes por Covid-19 nas duas semanas que antecederam o dia 17 de novembro. 

Foram 505 mortes no período, contra 404 óbitos ocorridos na capital paulista, que sempre apresentou os piores índices da doença e aparece em segundo lugar. 

O Rio só fica atrás em número de casos, que voltou a disparar em São Paulo: nos mesmos dias, mais 15.476 pessoas foram infectadas lá, contra 8.045 pacientes cariocas.

Rede privada defende ficar aberta

Apesar do crescimento do número de casos e mortes, representantes de colégios privados defendem que as unidades devem continuar funcionado. 

Ademar Batista Pereira, presidente da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), argumenta que a educação deveria ser considerar atividade essencial.



Via Extra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responsivo final texto

Pages