Caso Henry: carta misteriosa é revelada e investigação da morte pode ter reviravolta - Baixada Viva Notícias

Responsivo após foto post

Caso Henry: carta misteriosa é revelada e investigação da morte pode ter reviravolta

Compartilhe


Sabe aqueles casos de série de investigação policial norte-americana? Daria até um filme.


Continua a investigação da morte do garoto Henry Borel, de quatro anos, no dia 8 de março, no Rio de Janeiro, e caso tem novo episódio surpreendente.



A Polícia Civil realizou reprodução simulada no apartamento onde o garoto morava com a mãe, Monique Medeiros, e o padrasto, Jairo Souza Santos, o vereador Dr. Jairinho, nesta última quinta-feira.


Segundo relatos de Monique, ela encontrou o filho caído no quarto do casal na madrugada do dia 8. 



A mãe contou que assistia série no quarto de hóspede com o namorado Jairinho. 


Ela acordou por volta das 3h30, foi ao outro quarto e viu o filho desacordado, com os olhos revirados e as mãos frias.


O casal levou Henry para o Hospital Barra D’Or, mas o menino já chegou ao local sem vida. Laudo do Instituto Médico Legal (IML) mostrou que ele sofreu hemorragia interna e laceração no fígado causados por ação contundente. 



Quem causou essa ação é o que a polícia tenta responder.


Jairinho e Monique não compareceram à reprodução simulada. A defesa do casal havia entrado na Justiça pedindo que a reconstituição fosse apenas na semana que vem. 


A Justiça negou o pedido. André França Barreto, advogado de Jairinho e Monique, esteve em frente ao prédio onde a reprodução foi realizada.


França Barreto levou uma carta escrita à mão de uma suposta testemunha que reclamou da atitude do delegado Henrique Damasceno, da 16ª DP da Barra da Tijuca. 


O advogado não disse o nome da testemunha que criticou a rispedez do delagado, que pode demonstrar parcialidade na condução do inquérito.



Na carta, porém, aparecia o nome de Rosângela Medeiros, mãe de Monique. Ela prestou depoimento na semana passada. 


Essa acusação poderia causar uma reviravolta no caso. A defesa de Jairinho e Monique tentou tirar a investigação da 16ª DP e levar para a Divisão de Homicídios.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responsivo final texto

Pages